Texto de apresentação do disco “Corpos são feitos pra encaixar e depois morrer”, escrito pelo crítico Marcos Lacerda. O novo disco de Bruno Cosentino, Corpos são feitos pra encaixar e depois morrer, dá continuidade às suas experimentações de som pop sofisticado junto a uma poética do corpo, como fizera em Amarelo, seu álbum de estreia. Por […]

Texto de apresentação de “Babies”, escrito pela fotógrafa e crítica musical Pérola Mathias, e publicado no encarte do disco e no site Poro Aberto. Bruno Cosentino dá as caras. Se em Amarelo o torso nu (que anunciava seu primeiro disco solo) preconizava a contraditoriedade do desprendimento do corpo descoberto e, ao mesmo tempo, sua forma escultural […]